Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
  • Acessibilidade
  • Alto Contraste
  • Mapa do Site
  • PortugueseEnglishSpanishChinese (Simplified)FrenchGermanItalian
Página Inicial > Notícias > IFMA promove cursos de capacitação para mulheres de Zé Doca e região
Início do conteúdo da página Notícias

IFMA promove cursos de capacitação para mulheres de Zé Doca e região

Campus está oferendo cursos de mecânica, formação de doulas comunitárias e produção de gelados gourmet.
  • Assessoria de Comunicação, com informações do campus
  • publicado 23/07/2019 11h15
  • última modificação 23/07/2019 11h15

O Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Zé Doca está ofertando três cursos de capacitação por meio do projeto de extensão “Empoderamento, educação e trabalho feminino na região do Alto Turi”: Produção de gelados gourmet; Mecânica básica para mulheres; e Curso de doulas comunitárias. A iniciativa faz parte do Programa Mulheres Mil e visa contribuir para o atendimento das políticas de gênero, de equidade, de inclusão e de ações afirmativas, em favor da redução das desigualdades sociais e combate à violência de gênero.

A aula inaugural contou com a presença de mais 100 mulheres que almejam melhorar sua renda, assim como alcançar o empoderamento e a emancipação social. Houve também a participação de parcerias do município e da ex-aluna do curso de Doces e salgados, Ivanilde Martins da Silva. Hoje estudante do curso técnico em Alimentação Escolar, Ivanilde deu um depoimento emocionado sobre sua história com a instituição. “Meu primeiro contato com o IFMA foi através do curso de Doces e salgados. Naquele momento, eu disse que voltaria como aluna. Quando vesti a camisa da instituição, minha felicidade foi imensa!”, disse, emocionando várias pessoas da plateia.

O curso teve início com a disciplina “Saúde da mulher”, na qual as mulheres se identificaram com próprio corpo, reconhecendo as subjetividades neles existentes. O objetivo foi demonstrar a importância dos cuidados com a saúde e estimular a potência do feminino e, consequentemente a autoestima e o autocuidado. Foi um momento de muita troca, em que as alunas relataram que nunca tiveram essa abertura no sistema de saúde, que se sentem violadas e, muitas vezes, constrangidas em não se olhar da de forma singular.

A roda de mulheres partiu de uma metodologia que valorizava as falas e, a partir do conhecimento prévio, foram ressignificados aspectos da saúde feminina. Dentre as temáticas, se abordou a importância do exame Papanicolau, prevenção do câncer uterino e de mama, aspectos da anatomia feminina, doenças ginecológicas, Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), gravidez, parto e pós-parto, menopausa, menstruação, entre outros. Para a enfermeira Solange Sousa Santos, facilitadora da disciplina, “ Foi um momento muito importante, pois as mulheres necessitam de um lugar de fala que permeia o universo do sagrado feminino, aprofundando sobre o conhecer da sexualidade e aspectos fisiológicos dos diversos ciclos, além de estimular o empoderamento feminino e a melhora da autoestima e da qualidade de vida”.

 

Produção de gelados gourmet

O curso de gelados gourmet teve início com aula teórica para auxiliar as mulheres sobre as boas práticas de fabricação de alimentos e produção de gelados comestíveis, a fim de esclarecer sobre o beneficiamento do produto e sobre os perigos e riscos à saúde do consumidor. As alunas aprenderam que o monitoramento e as boas práticas em todas as etapas do processo são fundamentais para garantir a qualidade do gelado. A aula contou com metodologia participativa, por meio de dinâmicas e escuta qualificada das atividades rotineiras das alunas.

O curso teve um grande número de matrículas e, por isso, as alunas foram divididas em duas turmas para a parte prática. Durante a aula prática, elas produziram em equipe mais de 20 sabores de gelados gourmet, a partir da manipulação dos ingredientes e observação das boas práticas de fabricação de alimentos.

As alunas relataram a importância e a felicidade de estarem se sentindo úteis, além dos desafios para poderem participar do curso, como os afazeres domésticos e os cuidados com a família. Mas esse momento transformou a rotina de forma significativa. “Para a equipe envolvida, esse projeto não visa apenas uma fonte de renda para mulheres, mas um alimento para a alma e, para quem está executando o projeto, é um momento libertador e de gratidão. Oferecer esse curso está sendo muito importante para nosso crescimento como pessoa humana e com o desenvolvimento da cidade de Zé Doca”, reflete a enfermeira Solange Santos.

 

Formação de doulas

Doula significa a mulher que “serve”; esta presta conforto e apoio emocional a gestante durante o trabalho de parto e pós-parto. O curso, inédito em Zé Doca, teve o maior número de inscritos, trazendo uma reflexão sobre a necessidade de humanização do parto. O objetivo é melhorar a assistência, proporcionando à parturiente em seu momento singular segurança, apoio e acolhida, já que não tem a presença de acompanhante. A doula contribuirá para serviços de atenção obstétrica, sendo capacitada para dar suporte físico, emocional e informações para a mulher durante a gestação, parto e pós-parto, visando uma experiência mais tranquila, satisfatória e saudável. É prestadora de serviços de preparação para o parto, consultorias, apoio emocional, acompanhamento completo do trabalho de parto e apoio no pós-parto, usa métodos não farmacológicos de alívio das dores, favorece o vínculo mãe/bebê e amamentação; também é suporte para o acompanhante, favorecendo sua participação ativa neste momento.

A doula pode ser voluntária ou privada. Atualmente estas têm se destacado no mercado de trabalho, proporcionando às mulheres que “podem pagar” um parto digno, sendo uma nova forma liberal de emprego. Ela não é parteira, não realiza qualquer procedimento técnico no parto e não faz parte da equipe médica. Seu papel consiste no acolhimento aos aspectos físicos e emocionais da mulher, com benefícios comprovados cientificamente. Ao término do curso, a doula estará apta a oferecer ao casal “grávido” apoio emocional, físico e informativo, além de alívio para as dores das contrações.

O propósito é que as doulas sejam acolhidas pelo Hospital Municipal de Zé Doca, no qual serão cadastradas. As profissionais também serão estimuladas a desenvolver as marcas formativas do IFMA Campus Zé Doca, ou seja, domínio técnico-científico, visão crítica, atitude empreendedora, sustentável, colaborativa, atuando com foco em resultados. Estas marcas formativas reforçam o compromisso da instituição com a formação integral do ser humano, considerando aspectos relacionados ao mundo do trabalho e ao exercício da cidadania.

O curso está em andamento e será realizado nos dias 26, 27 e 28 de julho.

Fim do conteúdo da página